Pages

terça-feira, outubro 16, 2012

Ensaios incertos



-Estou com muita vontade de escrever, mas não faço ideia do quê. Na verdade eu sei o que escrever, só não sei como. Mais ou menos como quando eu quero expressar algum pensamento em palavras mas não consigo encontrar o jeito certo...

-Hoje resolvi dar um tempo nas redes sociais que frequento, estou achando muito chato ultimamente. Alguém disse que as redes sociais estão deixando as pessoas cada vez mais anti-sociais e eu concordo, as pessoas expõem gostos pessoais, carências, hábitos... que nos seus relacionamentos pessoais ficam "escondidos", o resultado é que acabamos percebendo que aquela pessoa com quem temos algum convívio é na verdade um chato(a) e passamos  a ser críticos de pessoas que antes fazíamos questão de ter por perto e isso não é bom...

-A alguns dias voltei a ter contato com uma velha amiga, eramos muito amigas eu a tinha como uma irmã, mais coisas aconteceram, as circunstâncias dela mudaram o que provocou um distanciamento estranho. Cheguei a fazer mau juízo dela, se eu estava certa acho que nunca vou saber. 
 Ela me ligou, conversamos, ela pediu desculpas, marcamos de nos encontrar, enfim..alguns recomeços são possíveis e se as lembranças boas são muito mais numerosas que qualquer mal entendido, não há porquê abrir mão de uma amizade que sempre me fez bem.
Acho que isso é perdoar, seja o que for....

-Falando em velhos amigos, no domingo reencontrei alguns que não via a alguns anos. Casados, alguns com filhos, outros sem, alguns mais gordos outros mais magros...
 Fiquei um tempo pensando no rumo que a vida de cada um deles tomou e se eles eram felizes, quando tive um estalo e pensei;  'E eu?' Eles parecem ter conseguido o que queriam, o que planejaram, então eu não deveria estar perdendo tempo pensando se eles estão ou não satisfeitos e sim se eu estou satisfeita com o rumo que minha vida tem tomado. As coisas não tem saído como planejei, mas também não há nada ruim ou irreversível, de qualquer forma vencer a frustração tem sido uma constante mas nada que tire minha alegria....

-Nunca mais fui só ao cinema assistir um bom filme, nunca mais sai só pela cidade visitando os lugares que eu gosto... Sempre só. Deve ser esse o problema. 
 Enjoei de ir só....

-E tem as tais dores do crescimento que as crianças sentem quando entram na adolescência, acho que estou sentido as dores do amadurecimento,hahaha... De tempos em tempos, o que se sabe já não é o suficiente, experiências passadas são passado, novas circunstâncias surgem e somos obrigados a lidar com o novo.
 Mesmo que seja benéfico o novo pode ser doloroso, porquê nem sempre o novo é o novo que se espera, mas ai você se entende com ele e a vida segue....

-Eu deveria por papel de parede nesse quarto...talvez com motivos de outono, eu gosto do outono, nem claro demais, nem escuro demais. 
 O céu tem um azul diferente no outono....

-Enquanto escrevo estou ouvindo essa musica do Christopher Cross que eu gosto muito, muito..., que está em minhas lembranças afetivas, que sempre tocava na rádio quando saíamos para passear de carro com o meus pais e que outro dia descobrir que estava nas paradas de sucesso quando eu tinha 1 ano de idade... 




1 comentários:

shadow disse...

Que turbilhão de emoções e pensamentos, hein! Se redescobrir é bom, fazer um balanço das nossas ações, arrumar as idéias, se renovar...tudo isso faz parte do amadurecimento e quando tudo está organizado, surge uma nova pessoa, cheia de idéias, de alegria...como a Phoenix ressurgindo das cinzas!

Postar um comentário